Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Entre Marido e Mulher

Entre Marido e Mulher mete-se o filho, a casa e a colher surgiu com a vontade de fazer um upgrade no anterior blog (New Life Inn). Além das aventuras com a casa, passamos a ter o filho e a colher que mexe com as nossas vidas. Acompanhem esta viagem

Tiago Bettencourt - Morena

 Esta morena não sabe
O que o dia tem para lhe dar
Diz-me que tem namorado
mas sem paixão no olhar
Tem um risinho pequeno
E que só dá de favor
Corpo com sede de quente
Mas que não sente o calor

Esta morena não dança
Quando lhe mostro Jobim
Talvez não goste da letra
Talvez não goste de mim
Cabelo negro sem regra
Caindo em leve ombro nu
Feito de morno passado
e amor que nunca cegou

Morena no fundo quer tempo para ser mulher
Morena não sabe bem, mas eu no fundo sei
Que quando o véu lhe cai
Quando o calor lhe vem
Sempre que a noite quer
Sonha comigo também

Há sítios que ela não usa
Por não saber que estão cá
Há mares que ela não cruza
Por não ser eu a estar lá
É de mim que ela precisa
Para lhe dar o que não quer
Talvez lhe mostre caminhos
Onde se queira perder

Esta morena não chora
Com um fado negro de Oulman
Nem com um poema de O neil
Na primeira luz da manhã
Sabe de tantos artistas
Canta-me letras de cor
Mas não lhe passam por dentro
Não lhes entende o sabor
...

Esta morena não corre quando a chamo para mim

 

 

António Zambujo - Pica do 7

 

De manhã cedinho
Eu salto do ninho e vou p'rá paragem
De bandolete, à espera do sete
Mas não pela viagem
Eu bem que não queria
Mas um certo dia, vi-o passar
E o meu peito céptico
Por um pica de eléctrico voltou a sonhar

A cada repique
Que salta do clique da aquele alicate
De um modo frenético
O peito é céptico toca a rebate
Se o trem descarrila
O povo refila e eu fico no sino
Pois um mero trajecto
No meu caso concreto, é já o destino

Ninguém acredita no estado em que fica o meu coração
Quando o sete me apanha
Até acho que a senha me salta da mão
Pois na carreira desta vida vã
Mais nada me dá a pica que o pica do sete me dá

Que triste fadário
E que itinerário tão infeliz
Traçar meu horário
Com o de um funcionário de um trem da carris
Se eu lhe perguntasse
Se tem livre passe para o peito de alguém
Vá-se lá saber
Talvez eu lhe oblitere o peito também

Ninguém acredita no estado em que fica o meu coração
Quando o sete me apanha
Até acho que a senha me salta da mão
Pois na carreira desta vida vã
Mais nada me dá a pica que o pica do sete me dá

Mariza - O melhor de mim

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Hoje, a semente que dorme na terra
E se esconde no escuro que encerra
Amanhã nascerá uma flor

Ainda que a esperança da luz
Seja escassa
A chuva que molha e passa
Vai trazer numa gota amor

Também eu estou
À espera da luz
Deixo-me aqui
Onde a sombra seduz

Também eu estou
À espera de mim
Algo me diz
Que a tormenta passará

É preciso perder
Para depois se ganhar
E mesmo sem ver
Acreditar!

É a vida que segue
E não espera pela gente
Cada passo que dermos em frente
Caminhando sem medo de errar

Creio que a noite
Sempre se tornará dia
E o brilho que o sol irradia
Há-de sempre me iluminar

Quebro as algemas neste meu lamento
Se renasço a cada momento
Meu o destino na vida é maior
Também eu vou

Em busca da luz
Saio daqui
Onde a sombra seduz
Também eu estou

À espera de mim
Algo me diz
Que a tormenta passará
É preciso perder

Para depois se ganhar
E mesmo sem ver
Acreditar!

É a vida que segue
E não espera pela gente
Cada passo que dermos em frente
Caminhando sem medo de errar

Creio que a noite
Sempre se tornará dia
E o brilho que o sol irradia
Há-de sempre nos iluminar

Sei que o melhor de mim
Está para chegar
Sei que o melhor de mim

Está por chegar
Sei que o melhor de mim
Está para chegar